Indice del artículo
A VELOCIDADE DAS TIC E A AMPLIAÇÃO DE LIMITES TERRITORIAIS
1. Introdução
2. A poluição das distâncias
3. Ampliação do (ciber)espaço e exclusão de limites territoriais
4. Considerações finais
5.REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS
Todas las páginas

5. REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS


BAUDELAIRE, C. (2007): Sobre a modernidade. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

BAUDRILLARD, J. (1995): A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.
Brasil tem 4,8 milhões de internautas, diz Ibope.  Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u206.shtml>. Acesso em: 20/12/2010.

CASTELLS, M. (1999): A sociedade em rede. A era da informação: Economia, Sociedade e Cultura. São Paulo: Paz e Terra.

DE MASI, D. (2000): O ócio criativo: entrevista a Maria Serena Palieri; trad. Léa Manzi. Rio de Janeiro: Sextante.

DOS ANJOS, I. da S. V. (2006): Introdução ao pensamento de inteligência coletiva de Perre Lévy. 2006. XX p. (Especializção em Filosofia). Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande/MS.


GOMES, M. B. (2010): McLuhan Pós-moderno ou Revolução Tecnopsicológica. [s/d]. Disponível em: <http://jornalista.tripod.com/teoriapolitica/5.htm>. Acesso em: 12 dez. 2010.

KERCKHOVE, D. (1997): A Pele da Cultura: Uma investigação sobre a nova realidade eletrônica. Tradução de Luis Soares e Catarina Carvalho. Coleção Mediações. Lisboa: Relógio D'Água Editores.

LÉVY, P. (1994): A Inteligência Coletiva. Por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo, Loyola.
________. (1999): Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34.

MORIN, E. (2003): Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, F. M. e SILVA, J. M. da. (orgs). Para navegar no século XXI. 3ª ed. Porto Alegre: Sulina/Edpucrs. 
________. (2000): Ciência e consciência da complexidade. Tradução: Maria de Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. Edição revista e ampliada pelo autor. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

SOUZA, R. R e ALVARENGA, L. (2004): A Web Semântica e suas contribuições para a ciência da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 1, p. 132-141, jan./abr. 2004.

TRIVINHO, E. (2007): A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus. (Coleção Comunicação).
________. (2010): O mal-estar da teoria: a condição da crítica na sociedade tecnológica atual. Rio de Janeiro: Quartet.

VIRILIO. P. (2000): A Velocidade de Libertação. Trad. Edmundo Cordeiro. Coleção Mediações. Lisboa: Relógio D’Água.
________. (1993): O espaço crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

WIENER, N. (1993): Cibernética e Sociedade: o uso humano dos seres humanos. Tradução de José Paulo Paes. 2. ed. São Paulo: Cultrix.

 

Conforme Trivinho (2001: 180), ciberespaço é uma estrutura infoeletrônica transnacional de comunicação de dupla via em tempo real, multimídia ou não, que permite a realização de trocas (personalizadas) com alteridades virtuais (humanas ou artificial-inteligentes).

TIC Domicílios 2009 destaca crescimento do acesso à Internet nos lares brasileiros. Disponível em: <http://www.nic.br/imprensa/releases/2010/rl-2010-06.htm>. Acesso em: 20 dez.2010

O hipertexto é um documento digital composto por diferentes blocos de informações interconectadas. Essas informações são amarradas por meio de elos associativos, os links. Estes permitem que o usuário avance em sua leitura na ordem que desejar. Considera-se Ted Nelson o inventor do termo hipertexto – tal termo exprime o sonho de manter os pensamentos em sua estrutura multidimensional e não-sequencial. (LEÃO, 2005: 15-21)

Brasil tem 4,8 milhões de internautas, diz Ibope. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u206.shtml> Acesso em: 20 dez 2010

Internet no Brasil cresceu 5,9% em agosto. Disponível em: <http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=6&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=pesquisa_leitura&nivel=null&docid=0A276B95D145374B832577B6007A5F6A>. Acesso em 20 dez. 2010

Res Pública, a coisa pública, era a ideia que os romanos tinham de como organizar uma sociedade de iguais. Foi o primeiro conceito na democracia ocidental de ‘domínio público’. (KERCKHOVE, 1997: 241)