Indice del artículo
Colocando em prática o Jornalismo Comunitário: expectativas e desafios
Introdução
2. Realidade brasileira e comunicação de massa
3. Jornalismo Comunitário: o que, por que e para que?
4. Colocando em prática
5. Considerações finais
BIBLIOGRAFÍA
Todas las páginas

4. Colocando em prática

Durante os anos de experiência na docência no Ensino Superior de Jornalismo, e, mais recentemente com a decisão do Supremo Tribunal Federal no que tange à desregulamentação  da profissão de jornalista no Brasil, observei uma baixa auto-estima dos alunos, fundamentalmente daqueles já em fase de conclusão do curso. Essa baixa estima pode ser explicada não apenas pela decisão do Supremo como também pela baixa remuneração da profissão de jornalista, forçando, muitos deles, a manterem dois empregos. Esta observação foi além. A grande maioria dos alunos entra na faculdade cheia de sonhos, desejosos de “mudar o mundo”, de construir uma realidade diferente. Muitas vezes, os sonhos são solapados a partir dos primeiros estágios, nos quais eles se deparam com uma realidade conflitante e diferente da premissa e função social do jornalismo que é de representar o cidadão, ter função watch dog .

Acreditando no jornalismo como tendo a capacidade de construir a realidade social, promovendo mudanças e contribuindo para uma sociedade mais igualitária, melhor informada e mais cidadã, foi que iniciei a sensibilização dos alunos de Jornalismo Comunitário do curso de Jornalismo da Faculdade Facitec para o despertar da prática de um jornalismo mais consciente de si, mais próximo da proposta inicial do jornalismo tão difundida pelas teorias liberais da imprensa.

Em um primeiro momento, as aulas se dedicaram ao esclarecimento da proposta da disciplina e, posteriormente, à explicitação das possibilidades e potencialidades do Jornalismo Comunitário como caráter de mudança e transformação social. Experiências como as da Rádio Favela de Belo Horizonte  e da Rádio Congo , no município do Congo, no estado da Paraíba, foram fundamentais para demonstrar aos alunos da disciplina a potencialidade do Jornalismo Comunitário.

Aproveitando a sede de conhecimento dos graduandos e o potencial crescimento desse tipo de atividade profissional voltada para a comunidade em face à globalização crescente e, por essa razão, ao retorno do comunitário, foi proposto aos grupos de alunos que eles escolhessem  uma comunidade de acordo com sua proximidade e capacidade de inserção e interação do grupo com a mesma. Após a escolha das comunidades, os alunos tiveram o trabalho de visitar o local e conhecer um pouco mais sobre cada localidade, sobre as peculiaridades e complexidades de cada região. Em seguida, os alunos retornaram com sugestões de pautas e pautas inclusive já apuradas, tendo inicialmente, toda a turma escolhido o meio impresso para uma primeira publicação. Para a execução dos trabalhos nas comunidades, os grupos fizeram contatos com lideranças comunitárias, comerciantes, moradores, gestores públicos, que indicaram os temas mais importantes para serem realçados na comunidade.

Semanalmente, os grupos referentes a cada comunidade apresentam à professora da disciplina um relato dos contatos, matérias em fase de elaboração, fotografias e a diagramação do jornal. Os trabalhos de acompanhamento da pauta, produção, redação, edição e diagramação foram feitos ao longo das aulas, propiciando um maior contato entre os discentes e a prática e os conceitos do Jornalismo Comunitário. Após a elaboração e revisão do conteúdo final, os alunos se responsabilizaram pela impressão de um exemplar do jornal  para fins de apresentação e avaliação da disciplina. As apresentações foram encaradas pelos alunos e pela professora como uma oportunidade de socialização do conhecimento obtido e de valorização do trabalho de cada grupo perante a turma.  

Os resultados foram apresentados em uma das aulas  da disciplina de Jornalismo Comunitário e rendeu bons frutos no que diz respeito à melhoria da auto-estima dos alunos de jornalismo, bem como numa maior inserção dos alunos na prática do jornalismo enquanto atividade profissional, aproximação com o mercado de trabalho e um olhar mais otimista para o futuro da profissão, entendendo esta como uma oportunidade de transformação social, resgate e reforço da cidadania das comunidades em que realizaram a atividade.

Ademais, como atividade do segundo bimestre do primeiro semestre de 2011, os alunos puderam manter suas comunidades escolhidas ou alterar em função do interesse e proximidade para realização do trabalho. Nesse caso, decidiu-se ir além e fazer uma parceria com a Escola Estadual do Valparaizo (GO). O diretor da escola permitiu que, durante três finais de semana, os alunos realizassem oficinas  de produção de texto, de fotografia, produção de texto para web e filmagem, com duração de cerca de quatro horas, contribuindo para que os alunos do terceiro ano da escola pudessem retratar por meio de seus textos, orientados e supervisionados pelos alunos da disciplina de Jornalismo Comunitário e pela professora da disciplina, a realidade da sua comunidade sob o seu ponto de vista, sob o seu olhar .

Com uma atitude inovadora, os estudantes de jornalismo disponibilizaram um link para a comunidade do Valparaizo no site www.dfagora.com.br , onde serão publicados os textos dos alunos do terceiro ano da Escola Estadual do Valparaizo e dos alunos de Jornalismo Comunitário.