A inserção da ciência na indústria cultural da sociedade da informação

  • Cecilia C. B. Cavalcanti Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro ECO-UFRJ
Palabras clave: sociedad de la información, popularización de la ciencia, cognición, conocimiento

Resumen

En la actualidad se percibe una nueva dinámica social en la que la comunicación científica ocupa un lugar preponderante. En la contemporaneidad, insertados en la Sociedad de la Información, el conocimiento se configura como fuerza productiva y como agente principal en la organización del poder. Los canales de la popularización de la ciencia, integrados a las Tecnologías de la Información de la Comunicación, pasan a ser fuentes privilegiadas en la construcción de la percepción del mundo y para la generación de nuevas habilidades, proporcionando al sujeto instrumentos capaces para la aplicación de ese conocimiento en las posibilidades y administración de la vida .

Biografía del autor/a

Cecilia C. B. Cavalcanti, Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro ECO-UFRJ

Mestre em Educação, Gestão e Difusão em Biociências pelo Instituto de Bioquímica Médica – UFRJ.

Citas

BURCH, S. (2005): Sociedade da Informação / Sociedade do Conhecimento. In: Desafios de Palavras: Enfoques Multicul- turais sobre as Sociedades da Informação. Coordenado por Alain Ambrosi, Valérie Peugeot e Daniel Pimienta, C&F Édi- tions. Disponível em: http://vecam.org/article519.html. Aces- so em: 22/06/2009.

BUCK-MORSS, S. (2002): Dialética do olhar: Walter Benja- min e o projeto das passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

CASTELLS, M. (2003): A sociedade em rede. (A era da infor- mação: economia, sociedade e cultura; v. 1). São Paulo: Paz e Terra.

FOUCAULT, M. (1979): Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda., 1979.

FOUCAULT, M. (1987): Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 32a Ed. Petró- polis: Editora Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. (2007): As Palavras e as coisas: uma arqueologia das ciên- cias humanas; 9o Ed. – São Paulo, Martins Fontes.

GORZ, A. (2005): O Imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume.

HAUG, W. F. (1979): Crítica da estética da mercadoria. São Paulo: Unesp, 1979.

HARDT, M. e NEGRI, A. (2005): Multidão: guerra e democra- cia na era do império. Rio de Janeiro, Record.

LYOTARD, J. F. (1998): A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio. MOSCOVICI, S. (2007): Natureza, Para pensar a ecologia, Rio de Janeiro, Editora Mauad X.

PARENTE, A. (2004): Enredando o pensamento: redes de transformação e subjetividade. In Tramas da rede. Org. André Parente, Rio Grande do Sul: Edições Sulinas.

PARENTE, A. (2008): O Visorama e os museus virtuais. Disponível em: http://www.arquivohistorico.sp.gov.br. Acesso em: 6/7/2009.

PEREIRA, V. A. 2008): G.A.M.E.S. 2.0 - Gêneros e Gramáticas de Arranjos e Ambientes Midiáticos Mediadores de Experiências de Entretenimento, de Sociabilidade e de Sensorialidades. In: 17° Encontro Anual de Associação Nacional dos Programas de Pós Graduação em Comunicação, São Paulo. ANAIS.

PLATÃO (2001): Fedro. São Paulo; Martin Claret.

SCHEINER, T. (2010): Sobre Laços, Caminhos, Pontes e Museus. Revista Museu. Disponível em: http://www.revistamuseu. com.br/18demaio/artigos.asp?id=5956. Acesso em: 23/12/2010.

SLOTERDIJK, P. (2008): O Palácio de Cristal : para uma teoria filosófica da Globalização. Lisboa, Relógio D ́Agua Editores. TARDE, G. (2005): A Opinião e as Massas (2o Ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2012-03-31
Cómo citar
Cavalcanti, C. (2012). A inserção da ciência na indústria cultural da sociedade da informação. TecCom Studies, (3), 3-11. Recuperado a partir de http://teccomstudies.com/index.php?journal=teccomstudies&page=article&op=view&path[]=59
Sección
Artículos